segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Pedrinho, o Xereta


(Monólogo)
Silvia Arfisia Fernandes

  • Tenho muita vontade de ser grande, mas ninguém me leva a sério.
  • Chamam-me de moleque, pixote, xereta e outras coisas mais. Se entro numa conversa, logo ouço: "cala a boca, xereta!"
  • É, criança não tem vez mesmo...
  • Se estou numa reunião e há poucos bancos ou cadeiras, logo me empurram dizendo: "levante-se daí, menino; o lugar é para os grandes..."
  • Se aparece uma vidraça quebrada, uma mancha no assoalho, ou coisas fora do lugar, e até a calda do pudim derramada na toalha... logo ouço: "foi o Pedrinho!"
  • Vocês estão rindo? Mas é a pura verdade. E na igreja, então? ... Nunca acreditam em mim, ou em qualquer criança que atende ao apelo, levantando a mão, naquele gesto de aceitação de Cristo. Os grandes acham que criança não sabe o que faz e que não tem senso de responsabilidade. Mas pergunto: e aqueles adultos que mais parecem crianças?
  • Eu já vi gente de "barba" que não tem responsabilidade, não dá testemunho... e etc. Sabe? Ainda existem os "santarrões" que querem impedir as crianças de aceitarem a Jesus como Salvador.
  • A minha esperança é que eu vou ser grande um dia e então... não vou precisar me levantar para dar lugar aos outros...
  • Quando eu for grande, não ouvirei mais a gozação: "Pedrinho Xereta!". Mas quando for adulto, não me esquecerei de que um dia eu fui criança.
  • Engraçado! ... Estou me lembrando de que o vovô sempre dizia: "Quem me dera ser criança outra vez! ... "Não entendo este mundo! As crianças querem ser grandes, os velhos, querem ser crianças de novo. Mas de uma coisa eu tenho certeza: mesmo sndo o "Pedrinho Xereta", Cristo ama os pequeninos como eu...
"Como eu mesmo sou,
Ele abençoou.
Cristo ama os pequeninos
Como eu sou".
(CSPC, vol. 3, n 25).

Um comentário:

Lalá disse...

NOSSA POR ACASO ACHEI ESTE BLOG E COM UM ARTIGO QUE MINHA MÃE ESCREVEU E ESTÁ EM SEU LIVRO: EU VI UM ARCO ÍRIS.
HJ ELA ESTÁ COM 94 ANOS E LUCIDA.,MORA COMIGO EM SANTOS.